Produtores da BRF em SC são os primeiros a investir em energia solar em convênio da empresa com o banco do brasil

Projeto está alinhado à estratégia de longo prazo da Companhia, que estabelece metas para aumento de energia de fontes limpas em sua cadeia de produção

Produtores integrados de Santa Catarina, que atuam em parceria com a BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, assinaram os primeiros contratos do convênio que a empresa firmou com o Banco do Brasil, para financiar a instalação de painéis de energia solar nas granjas e adequações ambientais nas propriedades. O convênio firmado entre a BRF e o BB prevê a disponibilização de R$ 200 milhões para produtores buscarem eficiência energética, dentro do plano macro de Sustentabilidade da BRF, e que foi anunciado em dezembro de 2020, durante o BRF Day.

A produtora integrada Roseli Marcon compareceu à agência do BB e não escondia seu entusiasmo. Formada em Administração, Roseli tem uma granja na Linha Roça Grande, em Luzerna, município do Meio-Oeste catarinense. Há seis anos trabalha com frango de corte e há 14 anos com frango de postura, cujos ovos vão para o incubatório da BRF em Herval D’Oeste. Com quatro aviários climatizados, de 150 metros por 16 metros cada um, ela pretende colocar os painéis solares no solo para suprir a necessidade de energia dos locais. “A energia gerada pelas placas vai proporcionar uma grande economia anual nos custos de energia elétrica, além de ser um compromisso com a sustentabilidade”, comenta Roseli.

Em Linha Tiradentes, em Concórdia, a família da produtora integrada Ilse Câmara trabalha desde 1992 com frango de corte. O sistema de placas fotovoltaicas será instalado para fornecer energia a quatro aviários climatizados e à casa da granja. O modal dos aviários, com capacidade de alojamento de 144 mil aves, foi construído dentro dos padrões da BRF. Os painéis também serão colocados no solo. Filho de Ilse, Eber Salla explica: “A energia solar é uma alternativa importante para economizar nas despesas com a energia elétrica”.

Na Linha Barra do Tigre, também em Concórdia, com quatro aviários em funcionamento e dois em construção, o produtor integrado Jarbas Salvin conta que começou suas atividades com o pai, Liberino, em 1983, quando as alternativas de energia eram mais escassas. Desde 2015 administra sozinho os aviários, onde produz cerca de 1,3 milhão de aves por ano. “Decidimos investir em energia solar, com a colocação das placas no solo, para baixar os custos com energia elétrica”, observa Salvin.

O convênio é uma das iniciativas que fazem parte da estratégia de longo prazo da BRF, que prevê a continuidade do compromisso da Companhia com a sustentabilidade de forma transversal e permeando todo o negócio. A empresa estabeleceu como meta ampliar em 50% a autoprodução de energia elétrica provenientes de fontes limpas ou renováveis nos próximos 10 anos.  “O compromisso com a sustentabilidade faz parte da nossa história e essência.  Ver estes primeiros produtores integrados assinando os contratos é motivo de muito orgulho para toda a nossa Companhia.  Vamos avançar ainda mais no fomento ao desenvolvimento energético dos nossos integrados, porque eles são os nossos parceiros na gestão sustentável de uma cadeira que proporciona vida melhor a todos, do campo à mesa”, salienta o CEO da BRF, Lorival Luz.

O fomento à energia renovável também integra os compromissos de longo prazo do Banco do Brasil para um mundo mais sustentável, com a ambição e direcionamento de alcançar o volume de R$ 15 bilhões de saldo de carteira em financiamentos nessa modalidade até 2025. Para André Brandão, presidente do Banco do Brasil, a estratégica está só no começo: “São as primeiras operações dessa parceria que impulsiona a transição para uma matriz energética limpa dos integrados, com mais sustentabilidade no campo. Nossa diretriz é apoiar a BRF e todos os seus integrados nesse processo, promovendo em cada ação o compromisso do Banco do Brasil com a sustentabilidade.”

 

Sobre a BRF

Uma das maiores empresas de alimentos do mundo, a BRF está presente em mais de 130 países e é dona de marcas icônicas como Sadia, Perdigão e Qualy. Seu propósito é oferecer alimentos de qualidade cada vez mais saborosos e práticos, para pessoas em todo o mundo, por meio da gestão sustentável de uma cadeia viva, longa e complexa, que proporciona vida melhor a todos, do campo à mesa. Pautada pelos compromissos fundamentais de segurança, qualidade e integridade, a Companhia baseia sua estratégia em uma visão de longo prazo e visa gerar valor para seus mais de 95 mil colaboradores no mundo, mais de 300 mil clientes e aproximadamente 10 mil integrados no Brasil, todos os seus acionistas e para a sociedade.

 

Sobre o Banco do Brasil

O Banco mantém-se historicamente como o principal agente financeiro do agronegócio no país, contribuindo de forma expressiva para o atendimento da demanda de crédito do segmento, com carteira de crédito agro de R$ 191,7 bilhões e carteira de Agricultura Sustentável de R$ 97,5 bilhões. Na Safra 2020/21, período de julho a dezembro/20, o Banco do Brasil desembolsou R$ 54,7 bilhões em operações de crédito rural.

Fonte/Foto: ASCOM – Assessoria de Comunicação

MAIS NOTÍCIAS
COMENTÁRIOS
Carregando...
×