Mais de 80% dos municípios do Oeste decretam situação de emergência por causa da estiagem

Dos 91 municípios que integram a região Oeste de Santa Catarina, 76 (83,5%) já emitiram decretos de situação de emergência em razão da estiagem. Os números foram divulgados na manhã desta quarta-feira, dia 12, pela Defesa Civil.

Segundo a Epagri/Ciram, o verão em Santa Catarina será de chuvas abaixo da média em boa parte do estado e temperaturas acima da média principalmente no Oeste. Nos próximos três meses, a região deve enfrentar chuva abaixo da média climatológica.

A média atual de precipitações é inferior a 50 milímetros, quando o esperado seria em torno de 150 mm. “Estamos com um déficit de água de 130 milímetros. Isso afeta diretamente algumas culturas, como milho e soja, além das agroindústrias e a dessedentação animal”, explica o hidrólogo da Epagri/Ciram, Guilherme Miranda.

DECRETOS NA REGIÃO OESTE


A estiagem já reflete na safra de milho e os produtores podem ter perdas de até 50% na colheita. De acordo com a Epagri/Cepa, no Extremo-Oeste, principalmente no Vale do Rio Uruguai, a colheita esperada pode ter uma redução de 50%.

Previsão

Segundo o Boletim Hidrometeorológico Integrado divulgado nesta semana, entre os dias 14 e 21 de janeiro há uma tendência de mudança no padrão das chuvas pelo Brasil. Em Santa Catarina a chuva volta a ser mais frequente e os acumulados devem ocorrer de forma mais homogênea no estado, com valores entre 40mm e 90mm.

A previsão para o trimestre entre os meses de janeiro e março de 2022 é que o fenômeno La Niña siga em curso. Por isso a tendência é de que a chuva mais frequente siga restrita ao centro-leste catarinense, onde seus valores devem fica dentro a acima do normal (sobretudo entre o litoral, Baixo e Médio Vale do Itajaí), por conta da maior disponibilidade de umidade e atuação da circulação marítima. Já entre os Planaltos e Meio-Oeste a tendência é de chuva dentro a abaixo do normal, enquanto no Extremo-Oeste catarinense a chuva deve ficar abaixo do esperado para o trimestre.

O chefe da Defesa Civil em Santa Catarina, David Busarello, destaca que o Estado vem monitorando a situação em municípios afetados por estiagem, além de observação em tempo real das condições climáticas. “Por meio de nossas coordenadorias regionais estamos realizando levantamentos e atuando imediatamente para atender as demandas dos municípios e regiões afetadas”, afirma.

 

Programas

A Secretaria de Estado da Agricultura mantém programas especiais para aumentar a resiliência hídrica em Santa Catarina e minimizar os impactos das estiagens recorrentes.

Em 2021, por meio do Programa SC Mais Solo e Água, o governo estadual investiu R$100 milhões em financiamentos sem juros ou subvenção aos juros de financiamentos para apoiar a construção de sistemas de captação, armazenagem e distribuição de água no meio rural. Além da transferência de recursos para os municípios adquirirem equipamentos.

Foram 2,4 mil produtores beneficiados e serão 100 prefeituras atendidas. O Programa contará com mais R$ 200 milhões em investimentos nos próximos 2 anos.

Além disso, a Secretaria da Agricultura destinou R$ 4,5 milhões para aquisição de 126 distribuidores de água que foram cedidos para os municípios de Santa Catarina ao longo do último ano.

 

Créditos: Oeste Mais

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas Notícias

×